Mingau de coco colegial

Mora no mingau de coco o sabor mais importante para Datagnan Oliveira Lima Moreira. Nascida no ano de 1979 no município de Gonçalves Dias, no Maranhão, era essa a merenda preferida dela no colégio de freiras da ensolarada Belém do Pará, onde passou parte da infância. Hoje Datagnan vive em Águas Claras, Brasília (DF). “Mingau de coco colegial…

Infância vivida, carne ensopada

Magda Lúcia Pereira nasceu em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Ela mora em São Bernardo do Campo, região metropolitana de São Paulo. Mas é de outro lugar que Malu, como costuma ser chamada, pega sua fatia de memória. A carne ensopada com vagem contém o aroma de uma infância “vivida, e não passada”, rodeando…

Um beijo roubado à flor da pele

Como sarar de uma dor de cotovelo comendo torta de mirtilo? O que fazer ao descobrir que seu marido é amante da mulher do seu vizinho (e novo melhor amigo)? No programa de hoje, com trilha sonora de Otis Redding (Try a little tenderness), Cat Power (The greatest) e Nat King Cole (Perfidia; Quizás, quizás, quizás),…

O cheiro do cuidado, a comida do sítio

Neta de agricultores, Andressa Santos é paulista de Angatuba (1995). Cresceu em São José do Barreiro e hoje vive em São Paulo, no bairro do Bom Retiro. Para ela, a fatia de memória não existe em uma receita específica, mas no cheiro de cuidado da comida de sua avó, da cozinha do sítio, cheia de…

Em busca do bolo perdido

Nascida em 1961, a paulistana Magali Boguchwal Roitman viveu nos bairros de Bela Vista e Bom Retiro, antes de se mudar para Moema. Há anos ela se pergunta aonde foi parar o chamado “bolo pelé”, de chocolate, molhadinho pela calda de laranja derramada sobre a massa ainda quente. Sua mãe sabia de cor o modo…

Carijó de feijão e arroz na panela de ferro

A panela de ferro era uma espécie de contadora de histórias na casa em que cresceu a gaúcha Jozieli Camargo Noquete Weber, de 23 anos. A mãe aproveitava a gordurinha e o molho da carne feita no almoço para, no jantar, fazer surgir da mesmíssima panela um prato novo que ela chamava de “carijó”, comida até o…

A colher de ferro e a cantilena do mingau de feijão com pimenta-brava

A avó de Rodrigo Moreira de Faria, mineiro de Belo Horizonte nascido em 1954, usava uma colher de ferro para mexer em uma panela, também de ferro, o feijão do dia bem amassadinho, umedecido em molho quente de pimenta-brava. Óleo para brilhar, farinha de mandioca para engrossar. Era esse poderoso mingau que seus filhos comiam…

O nhoque de batatas no almoço de domingo

A mãe, de família parte carioca, parte alagoana, sempre soube mais de cuscuz e de feijão do que da culinária que pautava, na origem, o gosto de seu marido, um filho de italianos. Aos domingos, porém, ela se esmerava em agradá-lo à mesa justamente com frango assado, maionese e um importante nhoque de batatas cujo ponto…

Quibe: sempre aos domingos

Aos domingos em Três Lagoas, a menina Marta sentia o vestidinho pinicar na pele. O que era para ser desconforto na verdade desaparecia na expectativa de reencontrar, no bar da avó, o quitute preferido: quibe. Marta Denise da Costa Santos nasceu em 1964, no Mato Grosso do Sul. Depois de viver em São Paulo e…

O doce de laranja amarga do Seu Honório, o pai da Daniela

Nascida em Cotia, em São Paulo, no ano de 1977, Daniela Previde Stefano Emerick cresceu na Granja Viana e hoje vive na cidade de Veranópolis, no Rio Grande do Sul. É de lá que ela acerta as arestas das próprias memórias: o pai, Honório, trabalhava fora. Não era dele, a rigor, a tarefa de cozinhar. Só…

O arroz mexe-mexe da mãe da Ana

Ana Ban nasceu e cresceu em São Paulo e hoje vive no Brooklyn, em Nova York. Para lá, levou uma receita importante: arroz mexe-mexe. Quando está chateada ou irritada, sua voracidade é direcionada para uma panela de arroz com ovo mexido, que prepara ao modo de sua mãe. À pergunta que angustia muita gente (o que…