“A galinha caipira é boa, cozinhada no suor”

“Nasci na comunidade do Barreirinho. Ah, o ano eu não tenho certeza, mas eu sei que sou do dia 15 de julho, de junho. A minha mãe tinha uma amiga, e ela gostava muito da amiga. Quando ela me ganhou, ela disse assim: ‘Vou colocar esse apelido na minha filha!’ Então, ela colocou o meu nome de…

Uma história de escravidão, pães caseiros e cenouras miudinhas

Se Dona Risoleta estivesse viva, teria feito no último dia 20 de março 117 anos. Na década de 1970, quando beirava os 80, ela falou de sua vida para a psicóloga Ecléa Bosi (hoje professora emérita da Universidade de São Paulo), que então realizava as entrevistas que analisaria para o importante trabalho Memória e Sociedade: lembranças de…

Comida de avô, no lombo do burro, no meio da tropa

A imagem do feijão-tropeiro cristalizou-se como a de um potente PF de tutu ou virado com bastante toucinho (ou bacon), acrescido de couve e, às vezes, também linguiça. Alguns dizem que a diferença entre essas receitas seria a farinha utilizada para engrossar o feijão: de mandioca, para o tropeiro; de milho, para o tutu e o…

“O almoço era um feijão-tropeiro feito na trempe”

“Meu nome é José Alves de Mira, eu nasci em outubro de 2024, como é que é? De 1924, né? Meu pai trabalhava na enxada, plantava muito, a gente plantava muito e trabalhava com tropa. Nas colheitas, ele trabalhava com tropas. Baldear as coisas para a cidade era o trabalho dele. Levava arroz, feijão, milho,…

Comida de mãe, segundo as regras da tataravó

Quando o doutorando Antonio Candido (hoje renomado literato, aos 98 anos de idade) estudou de perto as comunidades de bairros rurais de algumas cidades do interior de São Paulo, entre 1947 e 1954, observou que as mulheres recém-mães mantinham um velho costume de “guardar” os quarenta dias após o parto. No estudo que resultou em sua…

O arroz e o feijão: histórias de um encontro culinário

Por meio do projeto Armazém do Brasil, realizado em parceria com o Sesc, o Museu da Pessoa gravou cerca de oitenta horas de conversa com pessoas que trabalharam na Zona Cerealista de São Paulo ao longo do século 20*. Essa enorme área de comércio, que se desenvolveu a partir do pioneiro entreposto de alimentos instalado nas proximidades dos…

Cate os marinheiros, lave bem os grãos e cozinhe em água fervente

Não parece fácil encontrar uma simples receita de arroz ou de feijão em um livro de culinária. Naqueles publicados na época em que Candido Portinari retratou cenas de plantio e colheita dos dois ingredientes, entre os anos 1940 e 1950, pouco se acha de descritivo sobre a dupla que, de tão trivial, talvez se entendesse como parte dos…

“Todos, do rei e rainha ao camponês e sua mulher, comem com as mãos”

  Em 1530, o filósofo holandês Erasmo de Roterdã (1466-1536) lançou um livro que seria um sucesso, não apenas pelas centenas de reedições que teria nos séculos posteriores (só nos seis anos seguintes, até a morte dele, o título seria republicado trinta vezes), mas, principalmente, porque se tornaria o precursor dos futuros manuais de etiqueta…