Cozinha imigrante: a bureka búlgara

Natural da Bulgária, Lina Levi não conhecia o iugoslavo Avraham Ben Avran, mas suas histórias, sem querer, seguiram caminhos um tanto paralelos. De família judaica, ambos deixaram o Leste Europeu para viver em Israel, logo após a Segunda Guerra. Mais tarde, decidiram se mudar para o Brasil e vieram morar em São Paulo, no bairro do…

Cozinha imigrante: a burikita judaica

Quando o iugoslavo Avraham Ben Avran chegou a São Paulo, depois de deixar Israel, foi dar uma volta no Bom Retiro, o bairro em que viveria e onde, mais tarde, montaria a Doceria Burikita. Ao se deparar com uma placa na Rua dos Italianos, “curva perigosa”, ele se assustou não pelo perigo, mas pela tradução instantânea…

O chá de hortelã com bolacha de água e sal

Lívia Mendes Moraes nasceu em 1990, em Santa Rita do Passa Quatro, no interior de São Paulo. Cresceu e vive até hoje no bairro de Aterrado, na também paulista cidade de Mogi Mirim. Lívia conta que anda por aí com a alma carimbada pela diversão na casa de seus avós, chácara em que a cozinha…

Cenas do passado em fatias bem fininhas

As fatias de memória de Ana Regina Sucigan são cortadas bem fininhas – um ensinamento de seu pai, Sabino, e de sua mãe, Odete, que “aprontavam” juntos café da manhã, almoço e jantar do jeito preferido de cada um dos filhos. Essas fatias exibem, transparentes, as cenas de um passado que foi presente adjetivo. Ana…

Os cadernos caseiros da mulher-goiabada

“Quando mocinhas, elas podiam escrever seus pensamentos e estados d’alma (em prosa e em verso) nos diários de capa acetinada com vagas pinturas representando flores ou pombinhos brancos levando um coração no bico. Nos diários mais simples, cromos coloridos de cestinhos floridos ou crianças abraçadas a um cachorro. Depois de casadas, não tinha mais sentido…

Livro de Receitas para Mulheres Tristes

O verbo dos livros é “livrar”. O livro livra o leitor e o caminho, abrindo passagem no labirinto particular. E há mesmo algo de especial nos livros pequenos e nos textos avulsos: eles deitam no peito uma sensação de completude, de ir até o fim. É uma sensação parecida com a de cozinhar a refeição, larga,…

Uma viagem de ônibus para a Revolução de 32 (com parada na cozinha)

Não era meia-noite, nem Paris. Eram umas 5 da tarde em São Paulo, outubro de 2016, quando um ônibus me levou para 23 de maio de 1932, no exato dia em que os estudantes Mário, Miragaia, Dráusio e Camargo seriam mortos durante uma manifestação contra o governo de Getúlio Vargas – o que impulsionaria a Revolução Constitucionalista….

“Mas o que eram essas nozes fingidas?…

… Sei agora, as nozes fingidas têm só aparência, imitação da noz sem a noz.” Assim, Lygia Fagundes Telles (1923-) explica o que são nozes fingidas, docinhos de festa meio sumidos, aparentados do brigadeiro (o “primo” que se mantém famoso ainda hoje). Lygia menciona a receita em um contexto nada culinário, em meio às reflexões dos Fragmentos da Carta à…