Por que você está me contando isso?

Em “À Mesa com o Chapeleiro Maluco” (Companhia das Letras), o ensaísta Alberto Manguel explora a “demência sublime” de personagens doidos da literatura. Não é um livro de pegada gastronômica, ainda que seu nome possa sugerir que sim…

“Em nossa época, para criar e manter a engrenagem forte e eficiente do lucro financeiro, escolhemos coletivamente a velocidade em vez da lentidão deliberada, respostas intuitivas em vez da reflexão crítica detalhada, a satisfação de conclusões automáticas ao alcance da mão em vez do prazer da concentração e da tensão entre várias possibilidades que não exigem um fim conclusivo. Se o lucro é a meta, a criatividade deve sofrer.”

Um dos capítulos em especial é sobre a memória de cada um e os relatos escritos em primeira pessoa. Em “Por que você está me contando isso?” o autor analisa o sentido (ou a falta dele) das verdades inventadas, na voz do eu. Destacamos abaixo a epígrafe escolhida pelo autor, que soa ora como afirmação, ora como pergunta.

"Dos três pronomes singulares, o primeiro é o único que sustenta a autoridade de um texto." (Alberto Manguel)
“Dos três pronomes singulares, o primeiro é o único que sustenta a autoridade de um texto.” (Alberto Manguel)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s