Scone, sopa enlatada e verdura

A capa de “Cartas Extraordinárias” (Companhia das Letras, 2014) estampa a opinião do Sunday Times: “O equivalente literário a uma caixa de chocolates (…)”. Organizado por Shaun Usher, que a essa altura já desdobrou o trabalho em vários outros projetos de pesquisa ao mesmo estilo, o livro reúne a correspondência de pessoas “notáveis” ao longo…

Lunchbox: palavras na lancheira

“Eu acho que esquecemos das coisas, se não tivermos para quem contar”, escreve o senhor Fernandes em um bilhete. Ele guarda o papel na marmita que acabou de esvaziar, remetendo-a de volta. Quem vai receber a missiva é a cozinheira. Seu nome é Ila. O filme é Lunchbox (Índia, 2013), de Ritesh Batra. Ila vive em Mumbai. Todos…

Quitutes no Hotel do Universo

Já no dia seguinte ao da crítica publicada pelo Gastrônomo, o Correio Paulistano de 12 de julho de 1854 trazia uma carta de defesa ao estabelecimento-alvo da reclamação, o hotel instalado no Pátio do Colégio (conhecido na época como Largo do Palácio, por abrigar a sede administrativa da província). Alguém assinava a réplica com outro…

Por falar em açúcar…

“Há um gosto todo especial em fazer preparar um pudim ou um bolo por uma receita velha de avó. Sentir que o doce cujo sabor alegra o menino ou a moça de hoje já alegrou o paladar da dindinha morta que apenas se conhece de algum retrato pálido mas que foi também menina, moça e…

A sopa de Sara

Impossível: aquilo que não pode ser, existir ou acontecer de novo; o que é difícil demais de fazer ou conseguir outra vez. A comida impossível de alcançar, mas que gostamos de procurar. Sara considera um tipo de feitiçaria a sopa de carne, batata e macarrãozinho que sua mãe fazia quando ela era criança e sofria…

A tia do Yakult lembra São Paulo

Para Sara, a menina que tomava sopa de carne, batata e macarrãozinho para curar a garganta, os gostos de infância incluem os gostos das comidas vendidas pelos ambulantes nas ruas. Muitos cheiros e sons da cidade costumam, de fato, encher a memória daquela sensação gostosa da rotina que passou e que, em alguns casos, ainda…

Dicas gastronômicas de um tataravô paulistano

Depois de tropeçar umas quinze vezes nas pedras da Rua Direita, seguindo as sombras criadas pela lua na escuridão, desviando dos sapos que a essas horas estavam por toda parte, ele finalmente chegou em casa. Abriu a porta, que rangeu quase acordando seus amigos de quarto, pendurou o chapéu de Braga no cabideiro e seguiu…

Tipos de fome: tempos de guerra

“Sei o que é fome, que eu já passei. Menino, no fim da guerra, sou um daqueles que correm pela estrada ao lado dos caminhões dos americanos, estico as mãos para agarrar as barrinhas de chiclete, o chocolate, os pacotes de pão que os soldados jogam no ar. Menino, tenho tanta sede de gordura que…

Menos açúcar, menos afeto

Não, não sou confeiteira, nem vou escrever, ao menos não agora, sobre receitas de doce. O açúcar e o afeto a que me refiro no título são aqueles que parecem ter se tornado ingredientes essenciais às lembranças de comida. Tenho a impressão, aliás, de que essa memória açucarada e afetiva está por toda parte, embutida…

Comida de verdade

A caminho de um velho mercadinho libanês, vejo que surgiu na vizinhança um novo restaurante. Na fachada envidraçada, o decalque de uma promessa: comida de verdade. Chego no árabe e enquanto como uma esfiha de zátar muito gostosa, me pergunto o que será que aquele anúncio quer dizer. Eu não sei, nunca estive lá. Parece…